Atenção à fructose – Ressonâncias Magnéticas ao Cérebro revelaram o efeito perigoso da fructose (açúcar da fruta)

Brain MRI

Investigadores da Universidade de Yale nos EUA publicaram um estudo na revista JAMA (Journal of the medical association) onde confirmaram através de imagens de resssonância magnética as alterações induzidas no cérebro resultantes do efeito da fructose. Este açúcar simples, presente na fruta, no mel e no açúcar vulgar (“table sugar”), desencadeia alterações no cérebro que levam ao “overeating” , ou seja, excesso de apetite e consequentemente comer demais, e continuar a ter fome. Estas alterações não se verificam quando o açúcar simples em causa é a glicose.

Depois dos individuos envolvidos no estudo beberem uma bebida com fructose o cérebro não registou o efeito de satisfação ou saciedade da forma como mostra quando o açúcar em causa é a glicose. Daí, muitos especialistas afirmarem que é a fructose a maior causa da obesidade crescente.

O aumento do consumo de fructose está em paralelo com o aumento da obesidade e as dietas altas em fructose promovem o aumento de peso e a resistência insulínica. A ingestão de fructose promove reduzida circulação das hormonas da saciedade, quando comparada com a glicose.

O açúcar vulgar é metade glicose e metade fructose. É nesta molécula que reside a maior perigosidade, mas também é a que o torna doce. Por outro lado, o xarope de milho “high fructose corn syrup”, muito usado pela indústria alimentar, refrigerantes e gasosas principalmente, tem uma quantidade superior de fructose, daí o seu efeito devastador.

As imagens de ressonância magnética mostraram o desligar de actividade ou supressão de actividade cerebral nas zonas criticas da recompensa e desejo de comida quando o açúcar em causa é a glicose. O mesmo não acontece com a fructose. Esta não consegue parar a actividade de desejo recompensa e desejo de comida.

A fructose inibe também a secreção da hormona leptina, a que diz ao cérebro “estou cheio”.

O efeito da fructose, quando ingerida com a fruta será atenuado pela presença da fibra da fruta. O problema é que a fructose sem fibra está presente nos alimentos menos suspeitos. Porque será que o pão leva açúcar e consequentemente fructose? Porque será que há carnes processadas, fiambre, e outros que levam açúcar? Mas a pior situação estará nos refrigerantes, sumos, bolos, bolachas e chocolates.