Calorias Erradas

                                 A obesidade já não é só um problema americano!

Uma das principais causas da obesidade actual e crescente será a teoria calórica publicamente difundida e geralmente aceite por nutricionistas, dietistas e profissionais de saúde em geral.

Esta teoria calórica está errada. Porquê?

1-      “Uma caloria é uma caloria”. Este princípio tornou-se na maior armadilha. O impacto de uma caloria proveniente de hidratos de carbono (açúcares de forma geral), ou de proteína ou de gordura é diferente. O corpo humano metaboliza estes três macronutrientes de forma diferente. Tudo se resume à quantidade de glicose que cada um destes macronutrientes consegue induzir na corrente sanguínea.

Ao contrário do que julgamos, a gordura não engorda, são os hidratos de carbono que depois de digeridos que induzem glicose na corrente sanguínea, e o excesso de glicose tem de ser armazenado no tecido gordo. (veja a página neste site sobre a insulina).

Se tivermos 1000 calorias em gordura, por exemplo azeite, 1000 calorias em carne, e 1000 calorias em farinha, o impacto no aumento de peso será igual? Não. As 1000 calorias de farinha provocarão mais aumento de peso, mesmo sendo farinha integral.

 2-      Como se determinam as calorias de um alimento? Por exemplo, como se determina que um queque tem 400 calorias? Coloca-se um pouco de um comburente no queque, para este pegar fogo e a seguir arde-se o mesmo. Enquanto o queque queima mede-se o calor libertado. Se comermos um queque também o queimamos no processo digestivo? Não. As reacções bioquímicas envolvidas na digestão de uma queque são diferentes da queima do mesmo e não libertam 400 calorias. Não podemos assumir que o corpo humano é uma máquina termodinâmica e que rege pelas leis da termodinâmica. Entram calorias pela boca, e produz-se energia, como se fossemos um motor combustão interna, ou a caldeira lá de casa.

3-      A teoria calórica usa a seguinte equação para justificar o aumento de peso:

                                          δ E =  E in – E out

 Temos um delta de energia que é igual à energia de input menos a energia de output. Qual é o problema desta fórmula? É que só é verdade se as variáveis forem independentes, ou seja, posso aumentar “E in“ sem que “E out“ se altere. Se fizermos exercício físico, por exemplo, aumentamos o output, ganhamos apetite e muito dificilmente vamos conseguir manter o input. Se o fizermos, vamos ter um aumento da irritabilidade, uma adaptação forçada do metabolismo à nova realidade calórica. Este é um dos motivos porque as dietas de redução calórica são difíceis de manter e são pouco eficazes, pois ao fim de algum tempo o corpo aprende a funcionar com menos energia, nem que para isso tenha que diminuir alguma actividade.

Outro problema da fórmula está no facto de não explicar a causa da obesidade. É como olhássemos para o estádio de futebol na final da liga dos campeões. O estádio está cheio. Porquê? Porque entrou muita gente e não saiu ninguém. Mas porque é que não saiu ninguém? Porque o jogo ainda não terminou, esta parte da causa não é dada E porque é que entrou muita gente? Porque é um jogo muito procurado, esta outra parte da causa também não é dada. Portanto dizermos que o estádio está cheio e não saiu ninguém não explica a causa do estádio estar cheio.

4-      Nos anos 70 um investigador americano chamado George Wade da “University of Massachusetts” conduziu experiências muito elucidativas com ratos fêmeas.

Na primeira experiência retirou os ovários às ratas, e deixou-as comer livremente sem restrições. O apetite das mesmas aumentou e estas comeram vorazmente. No resultado tornaram-se obesas. Até aqui, cumpre-se a teoria calórica. Aumentaram o input de energia comendo vorazmente e consequentemente tornaram-se obesas.

Porém houve uma segunda experiência, na qual o investigador retirou igualmente os ovários a ratas, mas não as deixou comer sem restrições. A quantidade de comida dda era igual à que tinham disponível antes de serem retirados os ovários. Aconteceu que as ratas engordaram igualmente mesmo sem aumento da energia de input e para compensar a falta de energia de input relativamente ao acumular de tecido gordo desregulado,  as ratas passaram a ser mais sedentárias. Reduziram a actividade, tornaram-se preguiçosas, para garantir o acumular de gordura por parte do tecido gordo desregulado.

Olhando para equação de equilíbrio de energia, que reproduz a primeira lei da termodinâmica, lei da conservação de energia, ao fixarmos “E in“, a segunda variável “E out“ teve que mexer também. Ou seja, as duas variáveis não são independentes.

Analisando as duas experiências em conjunto, chegamos à conclusão que a remoção dos ovários causa uma desregulação no tecido, de modo que este extrai energia de aonde puder, deixando o organismo em deficit. Para compensar, se puder comer mais, comerá, senão diminuirá a actividade física.

As ratas não engordaram por comerem mais. Comeram mais por engordarem. Primeiro existiu uma desregulação que provocou a acumulação de gordura e de seguida passaram a comer mais. A gula e a preguiça não são as causas, mas sim, as consequências de um distúrbio/desregulação.

O estrogénio nos ratos e também nos humanos influencia uma enzina chamada “lipoprotein lípase” ou LPL. Esta muito simplesmente retira a gordura da corrente sanguínea para dentro de qualquer célula que exprima/contenha esta LPL. Se a LPL estiver ligada a um músculo esta retirará gordura da corrente sanguínea para dentro da célula do músculo, para a gordura ser usada como combustível. O estrogénio suprime ou inibe a actividade da LPL. Quanto mais estrogénio existir menos LPL retirará da corrente sanguínea para o tecido gordo. Ao retirar os ovários,  a consequente ausência de estrogénio fará com que a LPL cumpra os seu papel, retirar a gordura da corrente sanguínea para dentro das células do tecido adiposo. Quanto mais gordura for retirada da corrente sanguínea, mais falta de combustível existirá e para compensar, porque não há aumento no input (ingestão de alimentos), então há diminuição da actividade física.

Neste caso desregulação do tecido gordo foi causada pela ausência dos ovários que produzem estrogénio. Outras causas existem para a desregulação do tecido gordo, a mais comum está nos níveis altos de insulina resultantes da ingestão de hidratos de carbono.

Fonte : Gary Taubes, livro:  Why we get fat and what to do about it.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *